#057.png

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

No episódio de Nº 057 Claudia Del Rio lê vários textos autorais do livro Ikebana político.

12 de outubro

“Quando você trabalha como artista e faz coisas que ocupam espaço, a morte está muito presente, para onde isso vai, que lugar isso vai ocupar, para onde esse outro vai.”

 

 

Claudia del Río (Argentina) Artista visual, poeta, y educadora. Formada en pintura en la Universidad Nacional de Rosario, donde enseña. En los 80 formó parte de circuitos de performance, arte-correo y ediciones múltiples. Integró el grupo APA Artistas Plásticos Asociados, de Rosario. En los 90 fue parte del Programa de Clínica de Obra a cargo de Guillermo Kuitca, organizado por Fundación Proa. En 2000 y 2001 participó como tutora y artista del Programa Independiente de Cooperación entre Artistas Trama, Rain Artists Initiatives Network.  En 2002 cofundó el Club del Dibujo, un espacio de pensamiento y acción; desde el 2006 el proyecto Pieza Pizarrón (Lehrstücke), dispositivo de dibujo, performance  y pedagogía. En 2007 inició RUSA: Residencia para Un Solo Artista, en su casa taller. Fue invitada como representante argentina a las Bienales de La Habana (Cuba), la del Mercosur en Porto Alegre (Brasil), la de Medellín (Colombia) y la de Salto (Uruguay); y a las residencias EV Largo das Artes, Río de Janeiro (Brasil),  Apotheke, Udesc, Florianópolis (Brasil),  Casa B, Museu Bispo do Rosário, Rio de Janeiro (Brasil), Espacio Recombinante y Dobradiça, Santa María (Brasil), Taller 7 y Museo de Antioquia, Medellín (Colombia), Kiosko, Santa Cruz de la Sierra (Bolivia), Fundación Valparaíso, Mojácar (España), RIAA, Ostende (Argentina), Arteleku, San Sebastián (España).

Sus piezas se encuentran en colecciones privadas, museos e instituciones del país y del extranjero: Museo Nacional de Bellas Artes, Buenos Aires, Argentina, Museo Municipal “Juan B.  Castagnino-Macro” de Rosario (Argentina), Colección Osde, Buenos Aires (Argentina), Colección Banco Supervielle, Buenos Aires (Argentina), Museo Provincial Timoteo Navarro, Tucumán (Argentina), Museo de Bellas Artes, Salta(Argentina), Jack S. Blanton Museum of Art, Austin, Texas (USA), Karno Books, Los Angeles (USA), Centro Wifredo Lam, La Habana (Cuba), Museu Bispo do Rosário, Río de Janeiro (Brasil), MACBA, Barcelona (España), Fundação Vera Chaves Barcellos, FVCB, Porto Alegre (Brasil). Colabora escribiendo reseñas sobre arte contemporáneo, para algunos medios. Publicó Litoral y Cocacola (Ivan Rosado, 2012), Pieza Pizarrón (Club del Dibujo, 2013) e Ikebana política (Ivan Rosado, 2016).  En 2017-2018 es invitada al Festival de Teatro de Cali junto a Enrique Lozano, autor de Las Esferas, dramaturgia para la Pieza Pizarrón. En 2019 Peter Lang UK publicó Ikebana política. Notas, cuadernos y ejercicios (2005-2015).

E-mail: delrioqueen@gmail.com

Instagram: @delrioqueen

Você escuta esse e outros episódios em www.podcastversar.com

E nas plataformas:

spotify

deezer

google podcasts

apple podcasts

anchor

castbox.

Gostou? Envia um comentário por texto ou áudio.

E Para quem se interessou pela escrita da Claudia aqui os links para adquirir o livro e conhecer mais dos trabalhos da artista.

Pontos de venda: https://ivanrosado.com.ar/Puntos-de-venta/

Editora: https://ivanrosado.com.ar/

Produção e Curadoria: @priscilacostaoliveira
Apresentação: Priscila Costa Oliveira e Maria Flor
Música: @vineschmitt

 

Tradução livre dos textos lidos:

20 de setembro

 

como sempre sua visita é um presente

você não precisa carregar nada entre as mãos

você não precisa trazer nada no pico

 

 

 

21 de setembro

 

Vida de estreia.

A menina Evelina passou na frente da mesa e disse que caligrafia linda, gostei do comentário dela.

O apontador de lápis das palavras são os pesquisadores ou amigos.

 

Sempre morei no exterior, sabe.

escrever uma carta para você, nada solene

escreva para agradecer ao universo por fazer as palavras terem um som, um eco.

Não tenho receitas para lhe dar.

 

Eu vim para te dizer que você se atreve a buscar e ser,

como Teresa disse naquele dia, como Teresa me disse, naquele dia

que a diferença entre ela e você,

é que ele ousa dizer o que pensa, o que sente.

E outra coisa eu quero te dizer

Vamos morar com pessoas que amam o que fazem.

 

 

...

 

e os poemas não precisam que você compre nada para fazê-los,

Você não precisa ir à livraria, ou à fazenda, ou ao supermercado, ou à ferraria,

nem para o artístico

poemas não precisam que você compre nada para fazê-los, 

eles só precisam do seu tempo.

 

 

...

 

 

 

Estou acordada.

Enquanto escrevo,

Estou desenhando, amigo: 

vais comprar-me esta historia que rodeia a cintura, que a marca,

segurá-la

que não me parte em dois, que me deixa mais bonita

mais sexy, como gostamos.

 

...

 

20 de setembro à noite

 

Sonhei que estamos acordados

que somos trigêmeos, vida, arte e eu,

nós três nos divertimos,

Nós três não temos idade, sexo ou consciência,

nós somos o vento,

cada um me ensina algo,

e ensino algo para cada um.

 

 

 

..

Os jasmim que saem em janeiro, ficam sozinhos na fábrica e duram muito. O jasmim da primavera abre todos juntos, toque a música juntos e morra independentemente de suas palavras.

 

 

… ..

 

 

eles saíram eles saíram eu disse tchau ou não disse tchau

 

 

...

 

 

 

 

23 de setembro

 

toco o fundo apenas com as pontas dos pés e, conforme atiro de volta, uma e cem mil vezes, esse era meu jogo favorito no verão.

 

 

 

 

o carnudo se chama espada de São Jorge

No parque espanhol, Vir me dá uma quantidade da espada de São Jorge que tira de um vaso de vidro, faziam raízes, depois tirava outros bulbos dos vasos,

esta planta vai cuidar da casa.

 

 

12 de outubro

 

Quando você trabalha como artista e faz coisas que ocupam espaço, a morte está muito presente, para onde isso vai, que lugar isso vai ocupar, para onde esse outro vai.

 

 

Em algum momento vocês que trabalham para os alunos, o sistema institucional, pedagógico, cultural, econômico sabe disso, vocês começam a ver que os alunos trabalham para vocês, aquele estado sutil, muito rico, estimulante é um flash, é o que fez isso eu Segue. Eles trabalham para mudar suas hipóteses breves ou grandes, suas suspeitas, para expandir seu trabalho, para saber que álbum ouvir, que playlist ouvir, que palavras novas estão usando, significam que estão lendo o que acontece de maneira diferente. Espionar suas vidas, porque eles sabem como viver.

 

 

 

novembro

 

Uma menina em uma cadeira de rodas, entrou em uma casa, disse: nos museus as obras são inacessíveis, aqui eu posso vê-las porque você cobre as paredes com elas e elas são baixas e fechadas, enfim, você não vê obras uma vez que uma ideia de Art.

 

 

 

Janeiro

 

Caro Bett, na (Suíça)

Deixe-me dizer assim, porque me lembra daquele livro, tão apreciado e lido que era Pequenas Mulheres.

Fiquei animado que eles viessem e passassem por Rosário, e se conhecessem mais, descobri que você é uma alma muito sensível, muito relacionada, será o caminho do amor do Mariano, que vocês são amigos

Acho que você se divertiu muito.

Vamos voltar para Pequenas Mulheres

Às vezes eu era Jo

ou metanfetamina

ou Beth

E ... minha viagem foi muito legal, quero muito passar alguns meses lá, alguns meses aqui. Indo e voltando, o trabalho que fiz em Palma de Maiorca deu certo, não foi fabuloso, como eu esperava, houve problemas de organização lá, a data era muito próxima das festividades, e a cidade é tão turística, e menos ou um pouco menos cultural. Eu iria repetir de qualquer maneira. tal qual. Neste momento me pego saboreando algumas sementes de cardamomo, que maravilha.

Você trabalhou muito, Beth !!!!!

Agradeço a vossa participação no intercâmbio do Clube do Desenho, as fotos ficaram horríveis, acho que não dá para ver nada,

Bom, voce sempre tem uma casa aqui em Rosario,

Sim, adoraria o que você achou do workshop

tchau vejo você em breve.

Claudia

 

 

Janeiro

 

Aqui está uma espécie de classificação em cinco movimentos

 

1) os outros com outros, é o clube e suas formas de permuta, à coleção à peça preta ao desenho encontrado     

 

2) quem ocupa e manda no meu tempo, é o desenho a óleo e lápis, técnica de Tintim         

 

3) aqueles dedicados a:     

 

4) o urgente, espirituoso, perturbador, em cadernos, cadernos, papéis, fronteiras e guardas        

 

5) os misteriosos, são eles que guardam segredos? Eu não sei, eles parecem ter sido deixados sozinhos     

 

6) aqueles que vêm de uma cópia, um detalhe ou uma parte     

 

 

12 de dezembro

Coloque suas cenouras secas, claras e não saborosas na orto, no melhor estilo Max Cachimba e Bosco.

 

 

Coloque seus tomates fumigados, brancos por dentro, sem gosto no orto, no melhor estilo Claudia del Río

 

13 de dezembro

 

Voltei a ver as árvores que conhecia da cúpula renascentista, masculinas e católicas, aquelas que têm copa alta muito alta, e troncos muito compridos, a copa delas em forma de nuvem, não é real, os pássaros não podem lá, não Eles são porosos à chuva, eles nunca crescem ou diminuem ou fadiga, é trumpe l oeil é pintado, como todo o Renascimento.

Não olhei para o primeiro plano, a propaganda tanto insistia em me fazer ver os benefícios do renascimento, eu não aguentava, os tiros leves nas costas quase falhavam, suaves ao passar, como se distraído, com muito de oxigênio para crescer. Eu era algo como um militante anti-renascentista?

 

14 de dezembro

 

Pegue suas toranjas pintadas, casca pura no melhor estilo renascentista.

 

 

 

28 de dezembro

M ama me disse que 25 quando você acorda dizendo que, se a primeira pessoa que eu vi foi um homem teria um grande ano e se uma mulher foi um ano horrível. Minha mãe fica surpresa com isso, então ela se desconstrói.

 

 

 

29 de dezembro

Santi fala sobre geografia. E saber sobre ela e como saber sobre ela te coloca em contato internacional. Eu queria ser internacional. Aprendi a falar línguas e a tecnologia também ajuda você a ser internacional. Vou experimentar o presente.

 

 

 

2 de janeiro

em uma cama de quatro e poucos anos, mal há um tom. Em segundos, outra bolha se abre.

Ele adorou P. dizer a GS que você será como ele.

Essa ideia fundou um reino, o dos retratos prospectivos e agourentos.

O meu existe e com o passar dos anos passei a gostar dele.

Ele amava Vincent, talvez seu diário mais do que sua pintura, pouco mais.

 

 

4 de janeiro

O absurdo bate na porta

entra

Você me vestiu com uma cortina transparente semi-opaca e translúcida.

Suave, parece me dizer que tenho você,

vestidos

com ativismo feroz e algo ingênuo

bem, isso vai em dias!

 

...

 

5 de janeiro

algo soa na cama, são quatro e meia, pequeno como um tom. Em segundos, outra bolha se abre e eles são imparáveis.

 

 

janeiro é grande

gostoso, é quase o meu preferido, mentira,

Janeiro é um adolescente ou uma menina. Janeiro até eu pegar você não é janeiro. Tarde mas opressor, é por isso que procuramos o pântano.

 

7 de janeiro

Olá passado, quero que durma como a princesinha e a história

que você acorde quando eu quiser, só quando eu decidir.

Você não pode espiar a flor, nem a ideia da flor, nem o galho. O jardim e o plantador nasceram para entender alguma coisa, mas não conseguem. Eu gosto disso. Ou eles foram treinados para isso.

Os vasos também. Pinto vasos para espiar flores e frutas. Caindo tarefa boba.

 

 

 

 

Gosto da ideia de que Aid Herrera usa muito a simetria em suas pinturas porque ela é gêmea.

Eu adoraria ser um gêmeo, um trigêmeo ou um quádruplo, ou será quintuplicado demais. Eu também gostaria de ter um metro e oitenta de altura, com rosto de homem, para que eles tenham medo de mim e eu possa andar sozinho à noite.

Gosto da ideia de que no Lago Puelo nasça escultor, paisagem alta, o que dá motivos para ser escultor. A escultora agora nos apresenta sua coleção por meio de aventuras de cores, pigmentos, texturas.

 

 

 

Desejo feliz aniversário

 

O trovão, o trigo e o relâmpago

 

Super frágil

 

A noite é de suaves escórias à beira da água

Nocturnos desarmam-se suaves à beira da água

Nocturnos suaves desaparecem na beira da água

 

Polissonografia

As veias da lua

Eu tenho centenas de trabalhadores dentro de mim